Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

sábado, 22 de agosto de 2015

CHARUTO - Bar Nova Suíça

Fui ao Bar Nova Suíça, tradicional boteco do bairro de mesmo nome, e experimentei o charuto de repolho. O garçom, gente boa, nos atendeu durante anos no finado Clube de Quem Bebe. Voltarei em breve, para conhecer todas as belezuras das panelas e da estufa, e escrever uma resenha com mais detalhes. Por hora, digo que o charuto custa $ 5, e é uma janta para os menos famintos.


Vida longa a este petisco, cada dia mais sumido destes bares pasteurizados, que se travestem de mercearias, mas só servem rangos moderninhos como hambúrguer vegano, tartar de salmão e cia.



Bar Nova Suíça
Rua Joaquim Nabuco, 183 – Nova Suíça – Belo Horizonte, MG
Tel: (31) 9546-2420

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Empório Viação Cipó - 31/05/2015

Ainda que sejamos pouco "novidadeiros", a expectativa ao aterrissar em Santa Tereza era a de conhecer um bar recém-inaugurado. O que vimos, no entanto, foi uma mera continuidade do finado Bartiquim Santa Tereza, já que o Empório Viação Cipó copia inclusive os seus preços cada dia mais absurdos, a exemplo das trinta e poucas pratas cobradas pela porção de moela ao molho, e dos nove contos pedidos na Original. O que fiz, diante disso, foi pedir uma só cerveja, e experimentar aquela porção que me pareceu ser a novidade – no caso a de palitos de tapioca com queijo coalho e molho de mexerica.


O sabor do coalho pouco se distinguiu, porém os dadinhos são saborosos, e em quantidade que justifica o seu preço de $ 21. Deu para segurar a ansiedade até encontrarmos outro lugar para almoçar.


O atendimento do bar foi muito bom, a equipe era treinada e chegou a fazer algumas sugestões. O ambiente, praticamente idêntico ao do estabelecimento anterior, permanece tendo nas mesas do passeio o seu maior atrativo. Abreviando uma resenha já curta, é mais um lugar com cozinha de boteco e preços de restaurante.


Notas:

Ambiente: 3
Atendimento: 4
Bebida: 3
Comida (peso 2): 3
Custo-benefício: 2

Média final: 3 estrelas


Empório Viação Cipó
Rua Silvianópolis, 74 – Santa Tereza - Belo Horizonte - MG
Tel: (31) 3466-8263
Pagamento: aceita cartão de crédito e débito
Preço médio por pessoa: R$ 60,00*

*Consumo individual, em rateio ou não, de uma porção para dois, ou duas porções para um, de preço médio, acrescida(s) de duas bebidas e, quando houver, serviço e couvert/entrada. As bebidas podem ser duas cervejas de 600 ml, quatro cervejas de 350 ml, dois drinks, ou duas doses de cachaça, dependendo da especialidade do bar.

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Comida di Buteco 2015: Por onde começar?

Nesta semana foi o concurso Comida di Buteco quem liberou a sua lista de bares e pratos, o que aconteceu ontem. Como nos últimos anos, serão 45 os botecos participantes, que estipularam preços variando entre $ 17,9 e $ 24,5, este o teto determinado pela produção. A grande maioria deles escolheu justamente o valor do teto para seus petiscos, os quais podem ser compartilhados entre duas pessoas (alguns entre três). Mantendo o costume, liberou essa lista às vésperas do evento, o que é sempre motivo de grande suspense entre os frequentadores.
 
Por mais que eu me baseie tão somente nas fotos e descrições dos pratos, afirmo que estes superaram em muito as minhas expectativas. No ano em que as frutas são o tema, supunha que as miscelâneas fossem predominar, porém isso pouco foi visto. Ainda que os bares julguem necessário utilizar mais de uma fruta em cada prato – não sei por qual motivo – as criações evoluíram bastante em relação ao ano passado.
 
Dentre os poucos pontos fora da curva, há que se jogar luz em dois destaques pra lá de negativos. Falo do Chalé da Costela, que descaradamente participa com o mesmo prato do ano passado, e do São Tomilho, que apesar de ter uma chef de cozinha à sua frente, ingressa com um petisco de causar vergonha a quem só faz ovo frito. Que o público, quando for votar, consiga separar o joio do trigo, assim como o júri, que tem a obrigação de fazê-lo.
 
A lista de criações interessantes, por outro lado, é muito mais extensa. Não foi tarefa fácil chegar àqueles 10 que mais aguçaram o meu paladar, mas apesar disso, arrisco sugerir os seguintes bares: Amigos & Memórias, André Caldos, Bar do Louro, Café Bahia, Dona Suica, Bar do Beto, Estúdio da Carne, Já tô Inno, João da Carne e Mulão. Um deles, inclusive, é marinheiro de primeira viagem – falo do Bar do Louro, primeiro participante do histórico Edifício Maletta.
 
Agora é começar a experimentar os pratos e ver como se revelam na prática, tanto estes quanto os outros trinta e cinco. Até porque os botecos precisarão se sair bem também em outros quesitos, como atendimento, higiene e temperatura da bebida. Como são muitos, o jeito é fazer a velha e boa listinha. E você, amigo leitor, já se decidiu por onde vai começar?